04 janeiro 2008

E tu me censuras





É no cotidiano que se situam
as coisas impossíveis.
Nos bons-dias e boas-noites
estão guardados os segredos do sol.

Não é nas bíblias
ou nos livros filosóficos
ou com os grandes catedráticos
que se aprende a vida,
ou que se descobre a diferença
entre o bem e o mal.

É no olhar dos simples de espírito
que se oculta a chave do mundo.
No preparar o jardim para as flores,
no estender a roupa no varal,
no sorriso do estranho que passa,
tua alma encontrará a paz.

E tu me censuras por amar as gardênias.

Postar um comentário