03 fevereiro 2008

A criança morreu




A criança morreu.
Velemos por ela.


Os olhos inocentes são agora profundos e tristes.
As faces rosadas estão marcadas por cicatrizes.
A vivacidade transformou-se em vivência.
A infantilidade em violência.


Aprendeu a fingir, a enganar, a fugir,
A odiar, a desconfiar, a vingar e a sofrer.
Tirou o diploma de maturidade.
Tornou-se um adulto.


Está pronto para enfrentar seus semelhantes:
Sabe sorrir com ironia,
Sabe lamentar o que não sente,
Sabe vender sua amizade.
Sabe que as aparências enganam
E se deixa enganar.
Sabe que as crianças dizem verdades
E as manda calarem a boca.
É um homem!


Choremos pela criança que morreu,
Mas choremos mais ainda
Pelo adulto que acaba de nascer.

Postar um comentário