01 agosto 2008

Chegou o Tempo


Chegou o tempo
dos insondáveis labirintos,
dos olhares de amor famintos,
das sombras silenciosas.

Chegou o tempo
dos sentidos obscuros
do penetrar pelos vãos dos muros
das palavras enganosas.

Chegou o tempo
da escassez de sentimentos
das penúrias, dos lamentos,
dos pobres desamparados.

Chegou o tempo
de lambermos as feridas
feitas por balas perdidas,
dos homens desesperados.

Chegou o tempo
de enterrarmos todas as dores,
inventarmos novas cores
e limparmos nossas almas.

Chegou o tempo
de ler a história que escrevermos,
de agir em novos termos,
e de repararmos a Vida.

Postar um comentário