15 julho 2009

DESEJOS


Que alimento é esse que Deus nos deu

que quanto mais se tem, menos sacia

que anseia a noite e incendeia o dia

que enlouquece rei, nobre e plebeu


Que doce gosto esse que inebria

- desejo de verter-se por inteiro

no mar de amar, e se tornar poesia

lançar-se à sorte e ser aventureiro


Fome voraz de instintos e sentidos

na profusão de atos desmedidos

inquieta a alma até ao desvario


Sufocante qual venenoso gás

nunca se aplaca e não nos deixa em paz

tão transbordante e, no entanto ... vazio.





arte de Jia Lu




Postar um comentário