11 julho 2009

HOLOFOTES


eu me lembro desse menino

de sua inocência e de seu sorriso

de sua doçura e desembaraço

no palco e entre as gentes grandes


os holofotes ferem a vista


em algum momento

algo se rompeu

não sei o que foi

mas a dor do menino

foi tão profunda

que extrapolou seu bom senso


os holofotes ferem a vista


o demônio interior

deixou marcas

no corpo e na alma

os que bateram palmas

também fecharam portas

e abriram chagas incuráveis


os holofotes ferem a vista


o menino buscou proteção

na infância e na fantasia

recusou-se a crescer

e encarar os medos de frente

- mas o mundo cobrou


os holofotes ferem a vista


o menino se foi

talvez em busca de paz

na terra do sempre

onde todas as cores são belas

onde poderá dançar e cantar

como criança

onde brilhará

na eternidade

sem precisar de holofotes




Postar um comentário