31 julho 2011

A morte do Amor


É triste ver em pé, sozinho, o pedestal!
Melancólicos vêm e vão pensamentos
no meu sonho, onde o mais profundo sofrimento
Evoca um solitário futuro fatal.
(Paul Verlaine in O Amor no Chão)



quando eu houvesse te perdido
teus cacos no chão espalhados
o imenso pedestal desabitado
como se nunca tivesses existido

quando eu houvesse te esquecido
não me importaria mais o tempo
nem pra que lado sopra o vento
sonhar não teria mais sentido

quando eu houvesse percebido
que do Amor restara o vazio
sentiria na alma um arrepio
e morreria com o coração endurecido


arte de Louis Icart
Postar um comentário