25 julho 2011

O amor cegou-me


teu amor chegou-me como luz
expôs nudez, fomes, fragilidades
inundou-me os olhos
raio laser a cegar-me
agora vem e me leva pela mão por onde fores
e me conta como é o mundo que tu vês
inventa cores
fala-me dos pássaros
e dos caminhos
do sol, das nuvens, dos labirintos
deixa que eu te sinta com as mãos enquanto dormes
seja para mim janela, espelho, raiz, sangue, asas
até que desapareça a visão em mim guardada
do amor saindo dos teus olhos como o fogo
e eu comece a enxergar as sombras
Postar um comentário