26 agosto 2011

Quando o universo reza o poeta responde com um poema



minha alma é árvore que quer alcançar o céu
é neve a derreter-se na verdade
é chuva limpando a cidade
dilui-se, liquidifica-se, invade todos os cantos
minha alma reza a todos os santos
a luz que me vem abre-se em prisma de cores
minha alma é louvor mas também é dores
minha alma cria, interpreta, analisa a solidez
viaja em nuvens, pinta em cores de aquarela
minha alma mora num castelo francês
mas passeia em Compostela
tudo que tenho e o que sou
na alma é que se revela
e quando o universo me chama
minha alma se derrama
desperta em versos
e beija as estrelas


Postar um comentário