05 agosto 2011

Revelação


até quando eu puder sonhar
que a magia virá no próximo barco
vou levar a vida como esse milagre

inebriante

até quando eu puder acreditar
que as crianças dormem de mãos dadas
com os anjos
vou lavar a alma no orvalho de cada manhã

tranquilizante

até quando eu puder arrancar
os espinhos dos pés e das mãos
e proteger meu coração das ventanias
vou seguir viagem
pelo contorno dos sorrisos

flutuante

até quando eu puder amar
deixarei que o amor me leve
- doce ou amargo -
não resistirei
desde que me queime

 
fulminante
 
 
arte de Cassandra Barney
Postar um comentário