26 outubro 2012

Cinco minutos




não me perguntes agora
como me sinto
ou o que quero da vida
não me perguntes agora
que estou triste e cansada
e nem sei ordenar o pensamento
ando por avenidas vazias
por onde o poema atravessa
preciso de espaço e de tempo
visito o cosmos e o silêncio
refaço curativos, assopro ardências
respiro um hiato de sentimento
peço-te apenas benevolência
cinco minutos de isolamento
a vida agora não precisa de mim


(arte de Cécile Veilhan)

Postar um comentário