22 janeiro 2015

Paraty


há que se caminhar 
a passos lentos e atentos
como a pisar sobre séculos
nas pedras de Paraty
 

há que se deleitar o olhar
e embebedar a alma
navegando e divagando
no verde mar de Paraty


há que se contemplar o passado
de riqueza ou servidão
inscrito em detalhes e entalhes
nas casas de Paraty


há que se encantar com histórias
de Valdiras e Terezinhas
proseando ao pé do ouvido
nas janelas de Paraty


há que se amar esse lugar
tão distante, tão presente
nos contornos e adornos
nas paisagens de Paraty





Postar um comentário