31 maio 2016

Assim seja



que seja o mar a levar as dores
que seja a pétala a amparar a rosa
e o pretendido gesto de esperança
venha sem receio e sem moldura
no deserto das renúncias

da imensidão lisa e transparente como um vidro
venha o hálito bom do futuro
trazido no sol das manhãs
e plantado em jardins clandestinos

que seja colhido o lótus do amor
na sombra que morre quando a luz invade
e seja abismo o portal da ousadia
do querer bem e fazer o bem

que a poeira do tempo recolha a âncora da verdade
e arranhe intrepidamente a cegueira do silêncio
e que seja manso o despertar das palavras
a embalar as almas em sedas multicores

depois que a pele perdeu o dom dos arrepios
nada mais surpreende
a não ser a beleza: sempre

que as mãos nos guiem tateando nuvens e sonhos
hipnoticamente levados pelos poemas das faces
que sejamos todos infantes na candura
a soprar aleluias aos cálidos ventos da arte

que seja perpétuo o homem a ressurgir de seus cansaços

Postar um comentário