18 setembro 2016

Setembro


tudo que resta é o sonho
neste imenso setembro de espera
tudo que é vida ainda pulsa
neste intenso compasso
aflitivo
no espaço
de pré-primavera
tudo que é armadilha flutua
no suspenso cansaço
incisivo
estilhaço
que o amor destempera

Postar um comentário