10 abril 2017

Por um olhar mais doce


o olhar mais doce que existe é o olhar de um cervo
mesmo diante do caçador não perde a ternura
talvez por viver entre deusas e fadas

nós, pretensos humanos
nômades títeres

perdemos a doçura e a ternura pelos caminhos
seguimos a morte com a espada atravessada na garganta
deitamos sobre as horas com os corações petrificados
cobertos pelo manto das inutilidades
olhos fixos no breu

entre nuvens e labirintos
elaboramos tragédias
e novas maneiras de nos aniquilarmos

Postar um comentário