08 maio 2017

De tanto sonhar acordou poesia


"ninguém sai de casa a menos que a casa seja a boca de um tubarão"
 (Warsan Shire)


ela bordava palavras
no céu de azul escuríssimo
para não perder os sonhos de vista
sentada à porta da casa
brincando com um ramo seco
o olhar parado a mente itinerante
remédio nem carecia
um pouquinho de dor por dia
todo mundo pode aguentar

mas os sonhos – ah os sonhos
pano de se vestir inteira
e viajar dentro da noite
escalava as silhuetas dos montes
que jamais ultrapassara
cabelos soltos ao vento
alma errante e corpo ardente
desejava ansiosamente
um dia se libertar

passou a mão bem de leve
nas marcas de sua agonia
nem raiva mais brotava
nem lágrima mais escorria
gostava de estar sozinha
beber o silêncio da noite
sentir o coração bater forte
e se o acaso lhe mudasse a sorte
veria certamente sua luz brilhar

recostada ao batente 
adormeceu encolhida
enrolada e imersa 
na profunda fantasia
...
de tanto sonhar acordou poesia


Postar um comentário