02 junho 2009

Iniciação



Ancorar o barco em porto firme

Jogar a sorte em carta marcada

O inverso da arte que resta inerte

No enorme fardo que a morte encerra


Na terça parte que assim se furta

A abrir a arca que no norte aguarda

Purga a amarga oferta de uma porta

De estreito vão e cuja graça é incerta


Se o forte enfrenta o cabo das tormentas

E firma o barco no porto que ancora

Marca a sorte com a carta que joga

Na reforma audaz que sem alarde versa


Então no altar arde a ígnea verdade

Na arca aberta repousa o que era oculto

A soberba esfinge resta decifrada

E o Universo desfralda seu último véu...




Postar um comentário