08 abril 2011

Dia Estranho


o dia
amanheceu
do avesso

o ar é pedra
almas agonizam
ao som de um
longínquo
e melancólico
violino

dia escuro
em que as rosas
sangram

dia perigoso
em pensamentos
que empurram
para o abismo

dia febril
reverberando
choro
de crianças
petrificadas

dia de terror
que ficará
impregnado
em todo nós

(Às crianças de Realengo)

Postar um comentário