05 maio 2011

A alma ainda dorme



Trago em mim a dureza e a teimosia da pedra
rolo montanha abaixo, corro nas águas dos rios
e assim vou me arredondando e alisando
um dia serei pedra preciosa – só não sei quando

Trago em mim aromas e ramagens verdes
oscilo ao vento, em ânsias de liberdade
há dias em que sou árvore, há dias em que sou flor
a seiva que me nutre tem o tempero do amor

Trago em mim a força e a coragem dos bichos
sigo por dias e noites, pela terra e pelo ar
ensaio amizades, carinho, devoção
dou forma de lágrima ao meu coração

Trago em mim o destino de ser humano
ainda em grades embora busque o céu
em sonhos e em sinas, em verso e reverso
minha alma aprendiz é criança no Universo
 
 
arte de Andrei Zaderine
Postar um comentário