16 agosto 2011

Leva Contigo



então partes para as sombras
e não tenho mãos tão longas para alcançar-te
mas meu coração é teu,
leva contigo
- abrigo -
pelos frios caminhos que cruzares
leva também meus olhares
minhas mãos, às tuas pregadas,
o beijo adiado
extraviado
a minha voz que te chama
a flama
o cheiro de alfazema
leva, e também o poema,
as frágeis palavras,
grava, recita esse mantra
leva pela imensa noite que te cobre
essa minha rima pobre
junta as pétalas e as penas
flores às dezenas
leva os dias ensolarados
já não me servirão
se não estiveres ao meu lado
deixa a noite e a tristeza
o lamento e a oração
no imenso silêncio, clandestino,
leva o som do violino
aonde quer que te encaminhes
- paraíso, céu, astral -
leva tudo no embornal
imortal
guarda no tempo ou na saudade
e se também levares o amor
me espera na eternidade
 
 
arte de Evgeny Kouznetsov 
Postar um comentário