24 janeiro 2015

São Paulo



hoje eu te vejo
cidade minha
com olhos de viajante
e em passos vagarosos
te passeio 
os pés e o olhar
em meandros curiosos
sou apenas visitante
descobrindo em cada esquina
jeito novo de te amar

canto para ti
cidade minha
com coração debutante
e em desvelos amorosos
te celebro em meu altar
sonho-te pacata
acolhedora e elegante
como fossem outras eras
como a te redesenhar

choro por ti
cidade minha
com o peito soluçante
e em campos espinhosos
partilho do teu pesar
abraçaste a toda gente
que te buscou confiante
e agora não comportas 
esse povo que é teu par

ecoa em ti
cidade minha
o legado bandeirante
nos planaltos luminosos
a te serpentear
és São Paulo da garoa
do concreto angustiante
do Brasil a locomotiva
que jamais pode parar



Postar um comentário