30 janeiro 2015

Andanças



andei pelo alto das nuvens
até mais acima
ouvindo o som dos cometas
e a nona sinfonia
na mais pura das certezas
de que a noite é fuga 
para outras dimensões

andei tentando descolar
a pele transparente do futuro
para saber que nó 
o tempo desata adiante
andei cambaleante
no labirinto dos meus botões

andei com anjos no bolso
e a eternidade amarrada no dedo 
como lembrete da hora grave
buscando quem me socorresse
nave, corda ou dragão
andei procurando a chave
de qualquer constelação

andei, naveguei, flutuei
virei os quatro pontos cardeais
varei todos os horizontes
fiz romaria, fiz expedição
descobri que o mundo é grande 
mas a mim basta seu coração


Postar um comentário